quinta-feira, 25 de agosto de 2011

O fim dos professores

Galera, trago aqui 'pra' vocês desocupados um texto que recebi por e-mail, provavelmente muitos de vocês já o conhecem (o que facilitará na hora de comentar kk) por se tratar de uma dessas correntes que costumam criar nos correios eletrônicos, mas, diferente da maioria delas, esta me interessou bastante e acredito que interessem a vocês também. O texto é um pouco longo mas vale a pena conferir.

O ano é 2.209 D.C. - ou seja, daqui a duzentos anos - e uma conversa entre avô e neto tem início a partir da seguinte interpelação:

Vovô, por que o mundo está acabando?

A calma da pergunta revela a inocência da alma infante. E no mesmo tom vem a resposta:

Porque não existem mais PROFESSORES, meu anjo.

Professores? Mas o que é isso? O que fazia um professor?

O velho responde, então, que professores eram homens e mulheres elegantes e dedicados, que se expressavam sempre de maneira muito culta e que, muitos anos atrás, transmitiam conhecimentos e ensinavam as pessoas a ler, falar, escrever, se comportar, localizar-se no mundo e na história, entre muitas outras coisas. Principalmente, ensinavam as pessoas a pensar.

Eles ensinavam tudo isso? Mas eles eram sábios?

Sim, ensinavam, mas não eram todos sábios. Apenas alguns, os grandes professores, que ensinavam outros professores, e eram amados pelos alunos.

E como foi que eles desapareceram, vovô?

Ah, foi tudo parte de um plano secreto e genial, que foi executado aos poucos por alguns vilões da sociedade. O vovô não se lembra direito do que veio primeiro, mas sem dúvida, os políticos ajudaram muito. Eles acabaram com todas as formas de avaliação dos alunos, apenas para mostrar estatísticas de aprovação. Assim, sabendo ou não sabendo alguma coisa, os alunos eram aprovados. Isso liquidou o estímulo para o estudo e apenas os alunos mais interessados conseguiam aprender alguma coisa.

Depois, muitas famílias estimularam a falta de respeito pelos professores, que passaram a ser vistos como empregados de seus filhos. Estes foram ensinados a dizer “eu estou pagando e você tem que me ensinar”, ou “para que estudar se meu pai não estudou e ganha muito mais do que você” [isso doeu!] ou ainda “meu pai me dá mais de mesada do que você ganha” [playboyzinhos do C..]. Isso quando não iam os próprios pais gritar com os professores nas escolas. Para isso muito ajudou a multiplicação de escolas particulares, as quais, mais interessadas nas mensalidades que na qualidade do ensino, quando recebiam reclamações dos pais, pressionavam os professores, dizendo que eles não estavam conseguindo “gerenciar a relação com o aluno”. O professores eram vítimas da violência – física, verbal e moral – que lhes era destinada por pobres e ricos. Viraram saco de pancadas de todo mundo.

Além disso, qualquer proposta de ensino sério e inovador sempre esbarrava na obsessão dos pais com a aprovação do filho no vestibular, para qualquer faculdade que fosse. “Ah, eu quero saber se isso que vocês estão ensinando vai fazer meu filho passar no vestibular”, diziam os pais nas reuniões com as escolas. E assim, praticamente todo o ensino foi orientado para os alunos passarem no vestibular. Lá se foi toda a aprendizagem de conceitos, as discussões de idéias, tudo, enfim, virou decoração de fórmulas. Com a Internet, os trabalhos escolares e as fórmulas ficaram acessíveis a todos, e nunca mais ninguém precisou ir à escola para estudar a sério.

Em seguida, os professores foram desmoralizados. Seus salários foram gradativamente sendo esquecidos e ninguém mais queria se dedicar à profissão. Quando alguém criticava a qualidade do ensino, sempre vinha algum tonto dizer que a culpa era do professor. As pessoas também se tornaram descrentes da educação, pois viam que as pessoas “bem sucedidas” eram políticos e empresários que os financiavam, modelos, jogadores de futebol, artistas de novelas da televisão, sindicalistas – enfim, pessoas sem nenhuma formação ou contribuição real para a sociedade.


Foi o professor Antonio Carlos Moreno quem me enviou o texto acima que circula na internet desde 2009. Mas como ele se mantém atualíssimo, vale repassá-lo para os nossos leitores. Trata-se apenas de um opinião de um autor desconhecido.

Newsletter Rogério Mendelski

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Quem é vivo, sempre aparece...



E aí, pessoal? Olha só quem resolveu dar as caras novamente (rs)! Pois é, depois de seis meses na inativa (o último post foi em fevereiro =O e a propósito, não teve um comentário se quer hauahuahuahu), como de costume, decidi voltar. Não sei bem pra quê já que a inspiração não tem me visitado ultimamente, mas parece que esse negócio de blog vicia (mesmo que você não tenha seguidores fiéis), mas também, como ter seguidores fiéis se nem eu mesmo sou fiel ao blog? (kkk) Bom, deixa isso pra lá...
Então é isso internautas, postando só pra dizer que tô de volta, isso não quer dizer que eu vou postar todo santo dia, afinal, tenho mais o que fazer (kk). De qualquer maneira, eu já me considero parte da blogosfera e vou tentar dessa vez não sumir do mapa. Quando aparecer algo que me interesse eu passo aqui e compartilho com vocês. Até breve...